Notícias em Destaque

BANDO ANUNCIADOR E OS FESTEJOS DE SENHORA SANTANA

  

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O BANDO ANUNCIADOR DA FESTA DE S’ANTANA

25/07/2021 19h39  

Os festejos a Senhora Santana, Padroeira de Feira de Santana são formados por um conjunto de celebrações que atravessam lugares e sujeitos de diferentes classes, cores e gênero. O Bando Anunciador, considerado a maior das expressões populares dentre os festejos em homenagem à Padroeira, inicialmente ocorria a tarde, um dia após o tradicional Pregão, que de acordo com Rennan Oliveira, lembrava as atuais alvoradas. A partir dos anos sessenta, do século XX, os indícios são de que o Bando passa a ocorrer pela manhã.

As primeiras notícias sobre o Bando Anunciador remetem ao século XIX, sendo possível afirmar a sua passagem pelas ruas da cidade, a anunciar a festa da padroeira a partir de 1860, sendo registrado apenas a participação dos homens, os cavaleiros. Segundo Aldo Silva, no início do século XX já foi possível registrar a participação das mulheres nos grupos que, a pé, percorriam a ruas a fazer o anúncio da festa.

Ao longo do século XX as celebrações a Sant’Ana tiveram modificações, desde a demarcação do período dos festejos, quanto a organização e a sua forma expressão. No que diz respeito ao Bando Anunciador, nos anos de 1930 a 1950, a diversidade das pessoas e grupos e participantes foi aos poucos alterando e ampliando a sua dinâmica. O que seria um evento para anunciar as celebrações em tributo a Orago principal da cidade, foi aos poucos se constituindo como em um evento de cunho popular. De acordo com Rennan Oliveira foi muito comum nessas décadas a saída de cordões carnavalesco na Festa do Bando e também em outros momentos das homenagens a Sant’Ana, com destaque para os filhos do sol e as melindrosas. O Bando parecia se transformar num anúncio também do carnaval que acontecia na cidade em fevereiro.

Foto: Gutemberg Suzarte
Nos anos setenta e oitenta, o cortejo era puxado pelas charangas e bandinhas. Ainda de acordo com Rennan Oliveira, "no movimento rítmico e na batidas dos instrumentos musicais os participantes do Bando levavam para as ruas da cidade o balançar do movimento de seus corpos no intuito de praticar suas performances e encenações para o público” apresentando críticas ao cotidiano político, econômico e social.

Foto: Gutemberg Suzarte

Segundo Adriana Cavalcanti, Luís Vitor Júnior e Coriolano Pereira Júnior, as apropriações e (re) significações feitas pelos corpos/sujeitos participantes do Bando Anunciador, compreendido como uma prática cultural de Feira de Santana evidencia a perspectiva do Bando Anunciador enquanto lugar de lazer popular. Neste sentido, por ocorrer na rua, enquanto espaço aberto e de livre circulação, tiveram as manifestações desenvolvidas pelos diferentes bandos que compunham o cortejo do Bando Anunciador, a possibilidade de incorporar diferentes sujeitos e práticas diversas.

Foto: Gutemberg Suzarte

Em 1987, por inciativa da igreja católica, que passou a considerar como um evento profano, o Bando foi extinto, ainda que sob os protestos da população, por meio do bispo Dom Silvério Albuquerque, foram vetadas as festas de largo em homenagem à Senhora Sant’Anna e dentre elas, o Bando Anunciador.

Foto: Gutemberg Suzarte
Mas, como as tradições, as festas populares renascem e são reinventadas ao longo do tempo. Fazendo jus a história das práticas culturais da cidade, e conforme afirma Aldo Silva, em diálogo com os dirigentes católicos, mais sensíveis à cultura, em 2007 por iniciativa do Centro Universitário de Cultura e Arte, o Bando Anunciador foi retomado se consolidando a cada ano como uma efetiva celebração da cultura popular.

Foto: Gutemberg Suzarte
Referências:

CAVALCANTI, Adriana Priscilla Costa; CASTRO JÚNIOR, Luís Vitor e ROCHA JÚNIOR, Coriolano Pereira da. “Bando Anunciador de Sant´Ana: Cultura, Festa e Lazer nas Ruas da Princesa do Sertão”. In: Licere. Revista do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos do Lazer – UFMG. Belo Horizonte. v 23, nº 04. Dez. 2020.

OLIVEIRA, Rennan Pinto de. Sant’Ana dos olhos d’água: fé e celebração entre a igreja e o largo (1920-1987). Feira de Santana. UEFS Editora. 2016.

SILVA, Aldo José Morais Silva. Breve Histórico do Bando Anunciador. In: http://www.cuca.uefs.br/?page_id=5287 ,Acesso em 25 de julho de 2021.



DOS SANTOS, Ana Maria Carvalho. Professora, Doutora em História.

 








Nenhum comentário

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Site GutemBA News.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O ADM pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.